Sexta-feira, Março 1, 2024
Mais

    Artigos Recentes

    Czar, o cão que voltou a casa quase cinco anos após ter sido roubado no Cacém

    Na última terça-feira, 8 de novembro, era anunciada no Facebook uma notícia bombástica: “Parem a internet, o Czar foi encontrado agora pela PSP de Queluz”, afirmava a publicação da dona, Maria Inês Abreu Peixoto, complementada com smiles de grande alegria.

    Consequentemente, houve grande euforia e rejubilo entre os amigos de Inês e muitos foram os comentários de parabéns, agora que a família de quatro patas foi toda recuperada e se recompôs.

    A história remonta a 2018, quando a casa de Inês, em Agualva-Cacém, concelho de Sintra, foi assaltada. Além de muitos bens, levaram os seus dois cães, a Cacau e o Czar. “Ter uma casa invadida é uma sensação de que fomos violados, remexidos. Quem já passou por isso saberá a névoa que passa, o medo, os pensamentos que passam pela cabeça”, contou Inês no Facebook.

    A dona refere ainda que “tirar um cão de uma família é cruel. Vil. Seguiu-se uma intensa procura por pistas, seguidas de noites e dias à procura dos cães, a chamá-los nas ruas onde pensávamos que estivessem, hoje sei que não estavam longe. Saía do trabalho a correr sempre que alguém ligava com a mínima hipótese de ter visto alguma coisa”,

    “Em 2020 recebi uma chamada da PSP a dizer que o caso seria arquivado e que, nestas situações, é raro encontrar os cães. Não desisti logo, mas o dia a dia frenético faz-nos aceitar”, prosseguiu Inês no post publicado a 16 de fevereiro deste ano, o mesmo dia em que partilhou que tinha recuperado a Cacau.

    Inês diz ter recebido um telefonema da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Sintra a informar que tinham encontrado a sua patuda. 

    “Saí a correr, cheguei ao local e eles avisaram-me que a cadela não estava em muito bom estado, tinha estado presa ali muito tempo, nem tampouco vinha ter com eles. Chamei-a, veio devagarinho, era a minha Cacau! Cheirou-me e ao meu filho e desatou a saltar para cima de nós e a abanar a cauda, frenética. A felicidade! Lembrava-se de nós perfeitamente. Os cães são bichos especiais, de facto”.

    Nessa altura, estava ciente de que o caminho a percorrer tinha de ser feito com muita calma. “As feridas são visíveis, mas também há as que não se veem, e essas requerem mais amor e paciência. Mas é a Cacau de sempre, dócil, leal e tonta”.

    A cadela tem agora sete anos, mas tudo aquilo por que terá passado deixou-a com traumas. A médica veterinária pensa que foi utilizada para reprodução. Mas não só: tem os dentes serrados, um sinal de que poderá ter sido usada em lutas de cães.

    O animal agora recuperado, uma mix de weimaraner e bullmastiff, reconheceu toda a família e percebeu que estava de novo em segurança. “Ela continua a mesma cadela dócil, sempre atrás de nós”, realçou Inês.

    Nessa altura, a GNR reabriu o processo e disse à dona que estava ativamente à procura do Czar. Tinha sido através de uma denúncia que se chegou à Cacau e o facto de ter microchip permitiu a sua identificação e levou-a de regresso à sua família. 

    Uma família muito feliz com o reencontro e que ansiava pelo mesmo final para o Czar. Esse dia chegou ontem. 

    Foto: ines.peixoto no Instagram

    Coloque aqui o seu comentário

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Latest Posts

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img

    Assine a nossa newsletter

    para ser atualizado com todas as últimas notícias, ofertas e anúncios especiais.